Um amor para recordar - parte 2 (final)

Sentia meu sangue pulsar tão forte que, tudo a minha volta estava girando, minhas pernas estavam tremendo, eu estava muito ansiosa e com vergonha, não costumava muito falar com garotos.

À medida que fui me aproximando, já não prestava atenção em mais nada, apenas me focava em seu sorriso ao me olhar chegado. Eles estavam conversando em grupinho, minhas amigas saíram com os amigos dele e nos deixaram a sós conversando; Foi muito bom aquela conversa, me apaixonei ainda mais por ele, e senti que ele também gostou de mim,o nome dele era David, agora basta deixar o tempo agir.


E foi assim por alguns meses, até que em um dia ele me pediu em namoro, aceitei sem pensar, ficamos juntos durante quatro anos, firmes e fortes, claro com nossas brigas, ciúmes, mas nada de mais, até que no dia 25 de abril de 1953, ele me pediu em casamento, nossa, cai no choro, eu lembro muito bem desse dia, ele me levou para jantarem um restaurante bem famoso aqui na nossa cidadezinha, eu estava com minha roupa mais bonita, um vestido vermelho, afinal, o restaurante era caro, precisava ir com uma roupa boa e bonita. 


Eu chamava a atenção de todos quando passava, meu perfume exalava o cheiro de rosas, meu futuro marido, estava de terno, percebi em seu olhar que estava ansioso, mas não desconfiei de nada. Após jantarmos, ele pediu a sobremesa, até hoje não sei o que era aquilo, mas estava muito bom. David pediu licença e se retirou para ir ao banheiro, mas tudo fazia parte do plano dele (risos), na verdade ele foi falar com a banda, para tocar minha musica predileta, e assim se fez, enquanto a banda tocava ele veio até mim, se ajoelhou, me mostrou aquele lindo anel de brilhantes, e me pediu para tornar-me carne de sua carne para o resto de nossas vidas, foi a maior festa quando eu disse sim, todos ficaram de pé e aplaudiram.


Em julho de 1953 foi a cerimônia, na igreja, estavam todos os nossos familiares, amigos, muitas pessoas.


Fomos para lua de mel, nem preciso contar o que aconteceu (risos), foi muito bom.

Passaram-se 15 anos de casados, tivemos uma filha, e depois tivemos um filho, Kaprina, e Kapriel ( se pronuncia Queipriel), adoramos a letra K (risos)

Infelizmente a guerra voltou em meados dos anos 1970,e David foi chamado para a batalha, ficou 5 anos em guerra, até que foram pegos desprevenidos, um dos sargentos foi comprado pelo inimigo e vendeu a localização onde eles estavam, David morreu, deixando para traz tudo que tinha feito, e construído, nunca fez nada de errado, por menor que seja, jamais pecou.

Passaram-se os anos, nossos filhos cresceram, hoje, já tem suas próprias famílias, e eu Rosane, estou aqui, recordando com lagrimas nos olhos, o amor, que jamais morreu em meu coração.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *