Olhe para min!






Uma noite, quando eu estava no meu primeiro ano do ensino médio, minha mãe e meu pai saíram, me deixando sozinha em casa. Eu tinha muito trabalho a fazer, então passei a noite toda sentado à escrivaninha no meu quarto.

Meus pais saíram de casa por volta das 18h. Enquanto eu estava fazendo meu dever de casa, coloquei meus fones de ouvido com o volume no máximo. Houve uma grande tempestade naquela noite e minha mesa estava de frente para a janela, dava para ver a chuva e os relâmpagos lá fora.
Meus pais voltaram por volta das onze da noite. Quando vi o carro deles subir, tirei os fones de ouvido.
Assim que minha mãe abriu a porta da frente e entrou, ouvi ela gritar meu nome.
"O que diabos aconteceu aqui!" Gritou com uma voz irritada.
Confuso, eu desci as escadas. Minha mãe estava em pé no corredor com um olhar furioso.
 Ela apontou para o chão e gritou:
"Era você?"
Olhei para baixo e vi que o tapete estava coberto de pegadas enlameadas.
Eu disse. "Passei a noite toda na minha mesa, fazendo o meu dever de casa."
Observei quando o olhar em seu rosto mudou de raiva para confusão e depois para medo. Nós dois percebemos isso ao mesmo tempo. Alguém poderia estar dentro de casa.
Seguimos o rastro de pegadas, tentando entender toda a situação. Elas começavam na porta dos fundos, que geralmente deixamos destrancada. Então notamos outra coisa. As pegadas começavam na porta dos fundos e acabava lá mesmo.
.
De repente, ouvimos um barulho alto e forte que ecoou por toda a casa.
Então, o som da porta da frente sendo aberta e se fechando novamente.
Corremos para a garagem e trancamos a porta atrás de nós. Minha mãe pegou seu celular e chamou a polícia.
"Por favor, venha depressa!", Ela gritou. "Alguém entrou em nossa casa!"
Depois de algumas horas, um carro de patrulha chegou com dois policiais, um homem e uma mulher. Um policial ficou conosco na garagem enquanto sua parceira rondava pela casa, procurando sala por sala. Quando ela voltou, a agente nos disse que não havia ninguém na casa e era seguro voltar.


Quando estávamos respirando aliviados, ela perguntou:
"De quem é o quarto no andar de cima, à esquerda?"
Meus pais olhavam para mim.
"É meu", disse ao oficial.
Ela nos pediu para segui-la. Enquanto caminhávamos pela casa, podíamos ver o rastro de lama que levava da porta dos fundos, através da sala de estar, pelo corredor, pela escada, no quarto dos meus pais e depois para o meu quarto. Eles pararam na minha porta.
A policial apontou para a minha porta, que estava aberta.
Rabiscada em marcador preto, com as seguintes frases:

8:47 eu vejo você
8:53 Você esqueceu de trancar a porta dos fundos
8:59 Você parece focado
9:24, vire-se
9:47 Olhe para mim
10:15 Olhe para mim
10:37 olhe para mim
10:49 olhe para mim

Por mais de duas horas, alguém estava em pé na minha porta, me observando. Eu ainda estremeço ao pensar o que teria acontecido se eu tivesse me virado...

Comentários

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *